quarta-feira, 1 de junho de 2011

Poema da Semana - O Dia da Criança

O Dia da Criança

É um dia em que cabem
todos os dias do ano
e as coisas mais bonitas
que não podem causar dano:
os sonhos e os brinquedos,
as festas, as guloseimas,
a sombra de alguns medos,
a casmurrice das teimas
e também, com fartura,
o afecto e o carinho
com que se faz a ternura,
para mostrar ao mundo
que a guerra é uma loucura
e que o gosto de ser menino
é o nosso eterno destino.


José Jorge Letria











Biografia

José Jorge Letria, o mais premiado escritor português da actualidade, nasceu em Cascais, em 1951. Cursou Direito, História e História da Arte na Universidade de Lisboa, e é pós-graduado em Jornalismo Internacional. Como escritor distingue-se na poesia, no conto, no teatro e, sobretudo, na literatura para a infância e juventude. Desde finais dos anos sessenta que se destacou como compositor e intérprete de canções que proclamavam os valores da liberdade e da democracia. Todos os discos que gravou antes do 25 de Abril foram proibidos pela censura. É também conhecido como cantautor de intervenção na década de 70, jornalista e político dedicado à cultura, professor e dirigente associativo. O essencial da sua obra poética encontra-se condensado nos dois volumes da antologia O fantasma da obra. O autor tem poemas traduzidos em espanhol, francês, italiano, checo, russo, búlgaro e alemão. No teatro, tem mais de dezena e meia de peças para adultos e crianças. Jornalista desde 1970, começou por colaborar nos suplementos «Juvenil» e «A Mosca» do Diário de Lisboa. Seguidamente, foi redactor e editor de jornais como República, Diário de Notícias, O Diário (que ajudou a fundar) e Jornal de Letras, onde esteve como editor chefe durante cerca de cinco anos. Foi professor de jornalismo no ensino secundário (1982-85), experiência da qual resultou a publicação de três livros didácticos sobre o tema. É autor de inúmeros guiões para televisão e programas de rádio. Sobre a sua experiência na madrugada do 25 de Abril publicou, em l999, o livro Uma noite fez-se Abril. Iniciou o seu percurso político como membro do PCP, tendo-se desvinculado do partido, em 1991. Aderiu ao PS em 1995.Entre 1994 e 2001 foi vereador da Cultura da Câmara Municipal de Cascais, onde se destacou a coordenar ou criar projectos como os Cursos Internacionais, cinco prémios literários ou a revista Boca do Inferno. Como dirigente associativo foi membro da direcção do Sindicato dos Músicos e da Associação Portuguesa de Escritores. É actualmente presidente da assembleia geral da Sociedade Portuguesa de Autores, presidente da Fundação S. Francisco de Assis, vice-presidente da direcção e administração da Casa da Imprensa e vice-presidente da Fundação D. Luís I, integrando, porém, várias outras associações culturais. Em 1992, foi agraciado com a medalha da International des Arts et des Lettres, de Paris, juntamente com os escritores Natália Correia e David Mourão-Ferreira, e, em 1997, foi condecorado pelo Presidente da República com a Ordem da Liberdade.

Sem comentários:

Enviar um comentário